FLÁVIO MIRANDA (Campos dos Goytacazes/RJ, 8 de janeiro de 1943)

            De família simples e festeira de sete irmãos, agraciada pelo dom da música. Com 15 anos de idade, participou do desfile inaugural dos Amigos da Farra (já como escola de samba fundada, em 1957, pelo mano Demerval e outros companheiros). Em 1962, mudou-se para o Rio de Janeiro, indo morar na lendária Rua Alice, no bairro de Laranjeiras. Com o objetivo de acompanhar o Demerval (já conhecido como Roberto Ribeiro), em sua trajetória artística, em 1973, formou o Grupo Família, com  os irmãos Aderval (reco-reco, ganzá) e Norival Miranda (tamborim), Daniel Jr. (contrabaixo), Ivan Milanez (pandeiro), Jorge Conceição (violão), Mauro Ferreira (cavaquinho) e Urbano Santos (surdo).


Em 1978, com esta formação o grupo participou de histórico show do Projeto Pixinguinha, com Yvone Lara e Roberto Ribeiro, apresentado no Teatro Dulcina, na Cinelândia, com repertório impecável, incluindo os sambas Amor de Verdade (Flávio Moreira, Liette de Souza), Propagas (Jorge Lucas), Estrela de Madureira (Acyr Pimentel, Cardoso), Me Deixa Em Paz (Monsueto, Airton Amorim), Sei Que É Covardia, Atire a Primeira Pedra (essas de Ataulfo Alves com Claudionor Cruz e Mário Lago, respectivamente). Bastante aplaudido, o espetáculo continuou viagem para São Paulo, Curitiba, Porto Alegre, Belo Horizonte, Brasília e Belém.

Entre 1977 e 1979, atuou como um dos puxadores de samba-enredo da tradicional Escola Império Serrano, onde o já famoso irmão era o intérprete oficial. Totalmente envolvido pelo ambiente do samba, sabiamente Flávio Miranda decidiu seguir carreira de cantor solo, ao lançar em 1982, o compacto simples (selo Fama), quando desfilou os sambas Coração Sofredor (parcerias de Juanes Santos) e O Mar “Vem” (Ubirajara Cardoso, Alcir Mendes, Ary Mendes). Seguiu-se o CPS (Independente, sem registro de data), em coautorias de  Juanes Santos: Atenção Motorista Atenção (com Cardoso, Tião Marangá) e Pretensões. Miranda ainda foi intérprete oficial da Escola de Samba São Clemente (entre 1981 e 1983). Em 1985, em novo CPS (selo Top Tape) interpretou e assinou os sambas Lamentas e Caprichos,com Juanes Santos, Wilson Medeiros.

Em 1988, Flávio Miranda apresentou novo álbum Quem Plantou Colheu (selo Polysom), entre clássicos como Homenagem à Velha Guarda (Toninho Nascimento, Rodolfo da Vila), Nosso Segredo (Arlindo Cruz, Neoci, Dedé da Portela), e participações especiais do Grupo Família em Tô Cansado de Ser Enganado (coautoria de Juanes Santos) e do citado parceiro em Louca Inspiração. O incansável Flávio Miranda também realizou shows, com o Grupo Família, em países da América do Sul, e esteve presente na ala de compositores da Portela, no período de 1981 a 1996, quando concorreu a várias disputas de sambas de enredo.

Em 2012, gravou o CD Cheiro Doce, no qual se destaca o criativo lado compositor, em pérolas como: Universo do Corpo Dourado do Sol, Corpo Em Luz, Louca (essas com Juanes Santos), Dignidade Imperiana – Tributo A Roberto Ribeiro, Cheiro Doce (essas em parceria com Gil Velloso). Em seu último trabalho, lançou o disco Cordilheiras (DRS Produções), incluindo o já citado samba Lamentas, e o pot-pourri Amar Como Eu Te Amei/ Só Chora Quem Ama/ Resto de Esperança (Pedro Antônio/ Wilson Moreira, Nei Lopes/ Jorge Aragão, Neoci, Dedé da Portela), que contam com a presença de Roberto Ribeiro e do Grupo Família, respectivamente, além da romântica faixa título (coautoria de Gil Veloso e Franco Xavier), presença do jovem talentoso Léo Russo. Entre outras preciosidades, vale destacar do repertório alheio De Volta Pro Aconchego (Dominguinhos, Nando Cordel), Na Rua Na Chuva e Na Fazenda (Hyldon).

A foto registra o excelente e aplaudido show de divulgação do CD Cordilheiras, realizado no Centro de Referência da Música Carioca Artur da Távola/Tijuca, em setembro de 2015. Flávio Miranda com sua voz agradável de ouvir, cadenciada, ritmada, de quem tem prazer no que faz, vai se destacando, em tempos de falsos valores, quando é oportuno lembrar o mestre Nelson Sargento: Samba agoniza, mas não morre/Alguém sempre te socorre... Parabéns, Flávio Miranda!!!


© Copyright 2008 - Pelo Telefone: Uma viagem através da música popular brasileira.

Desenvolvimento e Design: Marcio Cunha