DALMO CASTELLO (Rio de Janeiro, 3 de fevereiro de 1943)

            Futebol e samba marcaram a infância de Dalmo Martins Castello no Rio Comprido, na convivência com o vizinho Jorge Ben (companheiro de peladas), e ouvindo Jacob do Bandolim, o cantor Lucio Alves, e o pianista Bené Nunes, que por vezes apareciam em festividades promovidas pela mãe bandolinista. Entusiasmado com o ambiente musical, aprendeu a tocar violão com o mestre Meira e começou a compor, fascinado pelo efeito das palavras. Em 1964, teve sua música Amanheceu (com Johnny Alf e arranjos de Eumir Deodato) gravada por Sonia Maria Bianchi, e em seguida por Agnaldo Rayol. Em 1966, participou do I Festival Internacional da Canção Popular da TV Rio, com Quando Dois Se Encontram, defendida por Doris Monteiro e Silvio César.

Em 1970, contratado pela Rádio e Televisão Mexicana, permaneceu por quase um ano e representou o país, ao lado do famoso cantor Armando Manzanero, no Festival Onda Nueva de Caracas, com a sua canção O Herói, elogiada por Milton Nascimento, que também participou do certame pelo Brasil. Em 1973, conheceu o mangueirense Cartola numa feijoada preparada por Dona Zica, em Ipanema, tornando-se seu amigo e parceiro. Logo em seguida, a dupla cantou o samba Disfarça e Chora (...e seu pranto/ oh! Triste senhora/ vai molhar um deserto/ disfarça e chora...) em inesquecível Noitada de Samba do Teatro Opinião/Copacabana, promovida por Jorge Coutinho e pelo saudoso Leonides Bayer. Em 1976, estreou no mercado fonográfico com o LP Meu Retrato (selo Chantecler), trabalho autoral com destaque para Corra E Olhe O Céu,o primeiro samba com Cartola, gravado por ele em 1974.

Outra belíssima parceria Verde Que Te Quero Rosa deu nome ao quinto álbum do Cartola (selo RCA), com versos primorosos (...são verdes os campos, as matas/ e o corpo das mulatas quando vestem verde e rosa/ é a Mangueira/ é verde o mar que me banha a vida inteira). No segundo LP autoral Com Que Prazer (Chantecler, 1978), Dalmo desfilou pérolas como a faixa título (...foi o reavivar, ressuscitar de um antigo amor/ foi como um jardim/ que de repente resolveu dar flor...), Subúrbio (...onde o domingo é mais domingo/ chinelo velho, de pijama/ primeiro passo é o bar, depois da cama/ e uma casco escuro, revista de esportes...), além dos sambas Covardia e Amiga Oculta (coautorias de Cartola). Dois anos depois, em selo Coomusa, o álbum Vide-Verso traz novamente clássicas parcerias com Cartola (a já citada Disfarça e Chora, Passarada) e muita poesia em Cansado do Cansaço (...fracos/ os meus braços/ já sem força preferem acenar/ que abraçar seu amor...), Acenda Velas (...olha há sombras pelo chão/ olha o espelho vai dizer/ que as rugas vão nascer/ e as lágrimas vão descer...). Em 1999, de volta ao cenário musical, Dalmo lançou o ótimo CD Em Pedaços (produção independente), releitura de antigos sucessos como Bonita (coautoria de Rogério Rossini) participação especial de Paulo Moura, Rio Cidade Mulher (utilizada em um programa especial do Globo Repórter, em homenagem ao Rio de Janeiro), além da raridade Em Pedaços (participação especial e coautoria de Yvone Lara) e com Cristina Buarque.

O notável CD/DVD Dalmo Castelo: Passeador de Palavras (Independente, 2003, incluindo entrevista com o pesquisador Luis Fernando Vieira, e vídeo clipe com o autor), agrada do início ao fim, beirando à perfeição. Voz peculiar, agradável de ouvir em suas poéticas e irresistíveis criações, se mostra por inteiro na faixa título, aonde vai cantando ... eu sou um ser poético...quase sorumbático...boêmio atlético...meio carismático...eu sou é cantador, e no final homenageia Nelson Sargento, outro mangueirense ilustre, com os versos ...esse samba é pra Nelson Sargento/ mestre peripatético/ senhor das cores/ valeu companheiro! Um abraço!

Outras parceiros expressivos são apresentados como Cláudio Jorge (Na Boca do Vento), Abel Ferreira (Chorando No Choro), Carlinhos Vergueiro (Mais Que Um), João Nogueira (Do Pilotis À Palafita), Monarco (Velhas Lagartas Novas Borboletas), João Nogueira e Edil Pacheco (Se Segura Segurança), Ederaldo Gentil (Passarela da Vida) e Xico Chaves (Valsa dos Sonhadores). Como intérpretes de sua obra, vale também citar: Alcione, Beth Carvalho, Cláudia Telles, Djavan, Dudu Nobre, Joyce Cândido, Leila Pinheiro, Ney Matogrosso, Noite Ilustrada, Vânia Carvalho, Velha Guarda da Mangueira, Zeca Pagodinho, Zélia Duncan, entre outros. Salve o cantor e poeta Dalmo Castello!


© Copyright 2008 - Pelo Telefone: Uma viagem através da música popular brasileira.

Desenvolvimento e Design: Marcio Cunha